terça-feira, 27 de janeiro de 2009

"Eu podia tá matando, roubando, mas tô pedindo"

Eu nunca fui assaltada. Acho que sou uma das poucas pessoas que tem a sorte de dizer isso, porque se tem uma coisa que meu anjo da guarda não pode se dar ao luxo é de ser preguiçoso, acho que ele faz até hora extra, sem férias e gratificação....é, eu sei, eu sinto pena também!

Pensando bem, às vezes eu me sinto assaltada quando vou ao supermercado por exemplo, e querem que eu pague por um produto muito mais do que ele vale, mas não quero falar de carestia, aliás nem tenho embasamento para falar sobre isso, economia não é lá meu ponto forte, não mesmo.

O fato é que tem acontecido com freqüência a seguinte situação: eu saio de casa com a bolsa cheia (nem tão cheia assim) de moedinhas, sou abordada por um menino, mulher-com-filhos-despencando-por-todos-os-lados,velho, bêbado e gente que sofre de aids, lepra, câncer, mau hálito, unha encravada que pedem minhas moedinhas, resultando na volta para casa com a bolsa vazia. Assalto pelo menos não acontece cinco vezes no mesmo dia, abordagem de pedinte sim. Gente, vou precisar pedir um aumento se continuar dando esmolas desse jeito!

Existe sempre a opção não dar esmolas; e eu entendo que alguém que pede alguma coisa (precisando dela ou não), ao receber vai continuar pedindo, é um condicionamento lógico, principalmente se é conseguido com facilidade, mas eu que preciso colocar meu coração no freezer de tempos em tempos se não derrete, não consigo dormir em paz sabendo que eu não fiz a minha parte. E olha que as minhas singelas moedinhas não significam a redenção da minha consciência. Eu sempre penso que as pessoas poderiam ter uma vida menos cruel, se alguém fizesse por elas bem mais que lhes dar dinheiro.

Então sabendo que eu não tenho vocação para mártir e tão pouco para heróina, salvando o mundo com as minhas moedas mágicas infinitas, resolvi que eu não daria mais esmolas. E foi assim por um tempo até que em um belo dia, estava eu no mercado municipal da cidade, respirando aquele ar carregado do cheiro das raízes e frutas, misturado com pastel (ótimo pra "perfumar" o cabelo e as roupas) quando um menino de uns 7 anos de idade mais ou menos, descalço, com roupas esfarrapadas, que só não estavam mais sujas do que ele próprio, diz "tia me dá um dinheiro!", ríspido, como se fosse um dinheiro que eu tivesse tomado dele ou fizesse mais do que minha obrigação em dar . A princípio eu fiquei irritada. Tia??? Que nervoso! E quem era ele pra falar daquele jeito comigo? Mas depois, olhei para aquela carinha toda sujinha...poxa, era só um menino, ele não escolheu aquela vida para ele, devia estar na escola, brincando, sendo criança e não problema social, eu engoli seco.

Eu não lhe dei dinheiro, eu lhe paguei um suco e um pastel, não era o que ele queria, deixou isso bem claro quando nem me agradeceu e sumiu no meio da multidão sem se despedir. Tudo bem, eu não esperava mesmo por gratidão, é a tal história de "fazer o bem sem olhar a quem" e eu sempre soube que bancar a boa samaritana não era lá muito fácil...mas não ter dinheiro não deveria significar não ter educação né?

Então era assim que seria, eu não daria mais dinheiro algum a ninguém, afinal de contas a gente ajuda como pode, e quando pode....que não foi o caso de uma semana depois, quando passou por mim um homem que empurrava um carrinho com um bebê de uns 2 anos e pelas roupas dava pra notar que viviam nas ruas. O homem só me olhou, mas não me dirigiu a palavra, então eu pensei em quase correr dali com medo do meu coração pingar, quando o bebê se vira para o pai e diz "eu quero leite papai!". Foi ato reflexo, enquanto tentava não escorregar no meu próprio coração q se liquefez no chão, enfiei a mão na bolsa, tirei de lá uns três reais e dei pro homem sem que ele pedisse. Não foi um bom exemplo de como cumprir promessas, e sabe-se lá se o moleque não era treinado para pegar trouxas sentimentalóides, e com o dinheiro que ganhavam já tinham uma vaca no quintal de uma bela casa comprada as custas dos três reais dos outros.

A trouxa aqui se encaminha para o estacionamento e se lembra que para tirar o carro era preciso de exatos TRÊS REAIS. É claro que "aquele dinheiro todo" não estaria dando sopa assim na minha carteira sem motivo, era o dinheiro separado para aquele fim (bate a mão na testa - prêmio maior tonta do mundo para mim!). O dono do estacionamento não tinha cara de muito caridoso, eu não tinha um bebê "adestrado" que pudesse dizer "mamãe quero estacionamento grátis!" e achei que levantar a blusa e mostrar os peitos não fosse uma boa opção. Eu e a minha irmã (é, ela estava presente durante todo o episódio do bebê) saímos embusca das moedinhas soltas nas bolsas (a minha é sempre do tipo grande e a vantagem é que você encontra coisas que nunca imaginaria que tinha). Arrecadamos o dinheiro exato em moedas de dez e cinco centavos, o que significou final feliz para todos: criança com leite, dono de estacionamento com bastante moeda para troco e eu lisa, lisa!

7 comentários:

  1. eu sinto a mesma coisa em relação a crianças que pedem coisas, mas - como a gente já tá cansada de saber - meu coração é um pouco menos mole que o seu, devido à maldade que nele mora.

    levantar a blusa é sempre uma opção, viu? ainda mais se sua irmã estiver junto; são dois pares de peitos, ora bolas!!
    =P

    ResponderExcluir
  2. Tem um velhinho aqui perto de casa que todo dia pega um onibus (eu espero que lá do raio-que-o-parta) desce na frente do supermercado se abunda num desnível da calçada e se põe a pedir...pedir...pedir insistentemente e infinitamente no exato caminho que eu pego pra fazer qquer coisa na rua. Bendito é o dia que eu não passo pelo pilantra do velhinho. Mas bem, ele pede (repetir1milhaodevezes)depois pega um onibus e volta pra casa (ainda espero que seja no raio-que-o-parta). E isso ele considera o emprego dele porque antes ele vendia cafe e salgados aki, mas ae descobriu que pedir dá menos trabalho e ele ganha mais.

    A má índole de 1 vale por outros pra mim. E o meu coração não tem buraquinhos, é uma rocha sólida mesmo! Odeio pobre! :P

    ResponderExcluir
  3. essas situações são foda mesmo. aqui em bh eu sempre dou as moedinhas tbm e já passei cada aperto por isso depois! hahahaha paia que no meu caso acho q levantar a blusa nem resolve mto, não fui assim, digamos que presenteada com seios tão...tão...bom, é isso. tão! hahahahahaha

    ResponderExcluir
  4. Pois é... concordo contigo, também já passei pelo mesmo.

    Muito interessante o teu blog. Vou segui-lo.

    Beijos

    ResponderExcluir
  5. oi querida.. vi seu comentário no blog. ainda não tive oportunidade de pesquisar, mas vou tentar postar algo até o fim da semana. qquer coisa... nesse endereço... há uma lista de instituições que possuem programas em desing, que sabe por aqui vc acha alguma coisa...

    http://www.designbrasil.org.br/portal/estudantes/posgraduacao.jhtml

    mari.

    ResponderExcluir
  6. Ai Joyce, eu não dou esmola não!!! Sei lá, pode me chamar de coração-de-pedra, o que for, mas essas coisas não me comovem. Sempre penso que vão usar o dinheiro prá comprar TÓSHICO. E aí é que não rola, né?


    Ah, já está devidamente 'seguida' e 'lincada'!!! Gostei daqui!

    ;o*

    ResponderExcluir
  7. minha filha, deixei um meme procê.

    ResponderExcluir

Você acaba de ganhar um vale-pitaco!