sexta-feira, 30 de outubro de 2009

Peripécias desimportantes de férias forçadas

Acho que não é segredo para muita gente que eu larguei o meu emprego. Largar de jogar tudo pro alto mesmo, fiz isso sorrindo e dançando (quase sapateando) de tão aliviada, sem medo de ter feito a coisa errada. Como se por muitos anos eu carregasse um fardo que não era meu, até que eu cansei infinitamente. Comecei a pensar mais em mim, nas coisas que eu queria. Uma atitude egoísta, mas um grande passo para mim que ando fazendo cursinho para aprender a dizer não.

Não é que eu não gostasse do que eu fazia, se um dia eu escolhi esse caminho é porque alguma alegria ele me dava e eu realmente o via iluminado em algum ponto do percurso, mas é a tal coisa, às vezes a gente se perde, imprevistos acontecem e a gente se vê no escuro. É nessas horas em que a gente pára tudo, amassa o rascunho, joga no lixo e recomeça em uma folha em branco novinha.

Mas te digo uma coisa: folha em branco assusta para caramba.

E nessa trilha toda do auto-conhecimento, às vezes penso que uma luz do além vai descer sobre mim e me mostrar tudo o que eu tenho que fazer. Como essas coisas raramente acontecem na vida real, eu estou tentando procurar as pedras mais firmes pra pisar e procurando ser sensata nas minhas escolhas, o que é mais difícil do que eu imaginava.

Achei bom tirar um tempo de férias. Passar mais tempo comigo mesma, fazer minhas caminhadas, colocar livros e filmes em dia, ficar de bobeira, visitar os amigos que também não trabalham, fazer artesanato, se dar ao luxo de tomar banho de piscina enquanto todo mundo está trabalhando, sair para tomar sorvete no meio da tarde, dar banho nos cachorros, levá-los pra passear, chegar em casa tarde sem ter que preocupar com o horário do dia seguinte....tem sido muito bom! Faço de tudo, até pintar parede eu tenho pintado, menos pensar no meu futuro, isso sempre pode ficar para amanhã...

Confesso que dá uma certa dor na consciência essas coisas. Agora por exemplo enquanto perco esse tempo na internet é como se eu estivesse assinando embaixo na minha condição de vagal. Veja bem, não estou reclamando, só me sentindo um pouco envergonhada por estar aproveitando essas férias por tempo indeterminado. Estou tão acostumada a trabalhar...é como se a gente perdesse mesmo a dignidade por estar desempregado, sei lá, é a impressão que eu tenho, não que seja assim.

Sobre as minhas peripécias, andei fazendo umas coisinhas legais, como por exemplo esses pseudo-quadros de fotos na parede do meu quarto. Gastei uma madrugada fazendo, me rendeu uma dor nas costas horrível e a tinta no cantinho da unha não quer sair de jeito nenhum, mas eu até que gostei, e o legal é que eu posso sempre trocar as fotos que estão só grudadas na parede com fita crepe.

O lilo minduim insistiu em sair na foto...ele também gostou!

Outra coisa legal que aprendi são as "jurupitinhas". O nome não é esse, foi batizado assim pela minha mais nova professora de origami a Maysa "Jurupita". Ela me deu de presente esse móbile lindo de flores de lótus com estrelinhas. E como eu muito insisti ela me ensinou, mas eu juro que não ensino para ninguém, é tipo segredo mesmo, "aprendeu, morreu". E agora eu já posso me vangloriar que eu sei fazer 5 tipos de origami! Fico toda me achando.

prazer, eu sou a jurupitinha!

Jurupitinha em detalhe.

Estou pintado uma parede do escritório também, fazendo um desenho bonito, ou pelo menos a intenção era que assim o ficasse. Se ficar legal mesmo, eu posto aqui depois. Acho até que se nada der certo, eu sei uma quantidade razoável de artesanato para virar hippie e sei pintar paredes também, mas tudo bem razoavelmente...

Mês que vem penso que uma nova vida me espera, novo lugar, novas pessoas...assim o espero. Mês que vem é mês que vem, até lá eu posso inventar de pintar mais paredes e fazer mais origami, porque a luz do além reveladora mandou avisar que vai chegar atrasada.



5 comentários:

  1. Nossa, você traduziu exatamente o que eu tenho sentido e estou passando nas últimas semanas. Também sai do emprego, tirei um peso das costas. E mesmo sendo bom ter esse tempo prá si mesmo, a gente sempre fica se sentindo culpada, parece que sem trabalho a gente não tem valor!!! E ter uma "folha em branco" assusta mesmo... Eu sei bem.

    Adorei suas artes, você é tão talentosa! *__*

    ResponderExcluir
  2. Ah, eu amei esse treco das fotos, mas, como já te disse, tô proibida de fazer qquer coisa criativa nas minhas paredes... meu pai tá superprotetor com a 'novice" da casa eehehe. Eu não posso falar das suas férias porque, apesar da UnB e dos eventuais trabalhos que eu arrumo, eu vivo de férias. Meu tempo é normalmente dedicado a mim mesma e eu não me aguento mais... :P Ow, mais uma coisa, mês que vem é amanhã já... :PPPP

    ResponderExcluir
  3. Siamarrei nos porta-retratos e, se eu tivesse espa'co, faria em algum dos meus quartos!

    Esses tempos sao bons. Eu sinto uma parcela infima de culpa, mas bem pequenininha, mesmo, do tipo que some com um filme, ou tricot.

    E preciso concordar... mes que vem j'a 'e amanha. ;)

    ResponderExcluir
  4. Admiro, estou morrendo de vontade de largar o emprego e jogar tudo pro alto pra começar vida nova.

    Com um período de ócio no meio, mesmo que curto, porque não sou de ferro.

    Ah, ouvi dizer de fonte confiável que você é uma pessoa divertidíssima.

    PS: Mês que vem já chegou.

    ResponderExcluir
  5. OLA JOICY
    Luz do alem...

    obrigado por seguir meu blog

    estou seguindo o seu e, estou gostando.

    abraço

    ResponderExcluir

Você acaba de ganhar um vale-pitaco!